terça-feira, maio 28, 2024
Feira do Livro 2023TODAS EDIÇÕES

EIXO KISS APRESENTA RELATOS DE 27 DE JANEIRO DE 2013 NO CORETO

No ano em que completou 10 anos do incêndio da Boate Kiss, a 50ª Feira do Livro de Santa Maria recebeu um momento simbólico pelo resgate e manutenção da memória coletiva através de testemunhos.

Desde o dia 27 de janeiro deste ano, o Eixo Kiss e o Eixo Literatura e Psicanálise coletam respostas através de um formulário digital para a seguinte pergunta: onde você estava no dia 27 de janeiro de 2013?

A indagação se tornou uma forma de furar o silenciamento buscando uma elaboração coletiva do trauma. Quem passa pelo coreto da Praça Saldanha Marinho durante a Feira pode acessar, através de um varal, alguns dos 115 testemunhos já deixados pela população de Santa Maria e também de fora da cidade.

Coreto recebeu alguns dos 115 relatos sobre o dia 27 de janeiro

Para Ariádini de Andrade, psicóloga e psicanalista do Eixo Kiss, os testemunhos são capazes de construir uma memória coletiva para a população santa-mariense.

“Esta intervenção vem através de um fio contínuo. Na primeira intervenção fizemos a pergunta e agora lemos os testemunhos e compartilhamos com a população. A gente entende que é preciso emancipar estes testemunhos. Estes testemunhos não são do Eixo, não são da Associação dos Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria, eles são da cidade de Santa Maria, eles pertencem à cidade de Santa Maria. A gente devolve alguns deles agora para a comunidade, pendurados em folhas de livros para também dialogar com a temática da Feira”, explica a integrante do Eixo Kiss.

A fala traz em si um poder de troca que se baseia na escuta. É nessa relação que muitas vezes se constrói um processo mútuo da construção da memória, sendo esse, segundo Ariádini, um convite para um processo coletivo.

“Entendemos que a partir do momento que eu falo e o outro vai lá e lê, a gente tem a possibilidade de se sentir trocados. Ninguém passa imune a um testemunho, a gente sente coisas, a gente pensa em coisas depois disso. Talvez essa pessoa que leia se sinta convidada também a responder”, conclui a psicóloga.

O fórmulário continua recebendo relatos e pode ser acessado aqui.

Fotos e Texto: Nathália Arantes – acadêmica de jornalismo da UFN

Jornalista responsável: Letícia Sarturi (MTB 16.365) – BAH! Comunicação Criativa