EIXO KISS APRESENTA RELATOS DE 27 DE JANEIRO DE 2013 NO CORETO

No ano em que completou 10 anos do incêndio da Boate Kiss, a 50ª Feira do Livro de Santa Maria recebeu um momento simbólico pelo resgate e manutenção da memória coletiva através de testemunhos.

Desde o dia 27 de janeiro deste ano, o Eixo Kiss e o Eixo Literatura e Psicanálise coletam respostas através de um formulário digital para a seguinte pergunta: onde você estava no dia 27 de janeiro de 2013?

A indagação se tornou uma forma de furar o silenciamento buscando uma elaboração coletiva do trauma. Quem passa pelo coreto da Praça Saldanha Marinho durante a Feira pode acessar, através de um varal, alguns dos 115 testemunhos já deixados pela população de Santa Maria e também de fora da cidade.

Coreto recebeu alguns dos 115 relatos sobre o dia 27 de janeiro

Para Ariádini de Andrade, psicóloga e psicanalista do Eixo Kiss, os testemunhos são capazes de construir uma memória coletiva para a população santa-mariense.

“Esta intervenção vem através de um fio contínuo. Na primeira intervenção fizemos a pergunta e agora lemos os testemunhos e compartilhamos com a população. A gente entende que é preciso emancipar estes testemunhos. Estes testemunhos não são do Eixo, não são da Associação dos Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria, eles são da cidade de Santa Maria, eles pertencem à cidade de Santa Maria. A gente devolve alguns deles agora para a comunidade, pendurados em folhas de livros para também dialogar com a temática da Feira”, explica a integrante do Eixo Kiss.

A fala traz em si um poder de troca que se baseia na escuta. É nessa relação que muitas vezes se constrói um processo mútuo da construção da memória, sendo esse, segundo Ariádini, um convite para um processo coletivo.

“Entendemos que a partir do momento que eu falo e o outro vai lá e lê, a gente tem a possibilidade de se sentir trocados. Ninguém passa imune a um testemunho, a gente sente coisas, a gente pensa em coisas depois disso. Talvez essa pessoa que leia se sinta convidada também a responder”, conclui a psicóloga.

O fórmulário continua recebendo relatos e pode ser acessado aqui.

Fotos e Texto: Nathália Arantes – acadêmica de jornalismo da UFN

Jornalista responsável: Letícia Sarturi (MTB 16.365) – BAH! Comunicação Criativa