Opereta “Pé de Pilão” chega ao Theatro Treze de Maio em novo formato

Opereta ”Pé de Pilão”, adaptação da obra homônima de Mário Quintana, ocupou o palco no Theatro Treze de Maio no Livro Livre desta terça-feira, 3 de maio. Pé de Pilão tem uma longa história que começa com o livro, lançado em 1975, a adaptação para o teatro, em 2006. Décadas que, além de marcarem gerações através de histórias lúdicas, também angariaram prêmios de nível nacional à obra.

A obra conta a história de um menino que virou pato e tenta localizar sua avó perdida, que foi enfeitiçada por uma fada mascarada. Lançado em forma de poesias, Pé de Pilão desafia a imaginação de crianças e adultos. “Como disse Carlos Drummond de Andrade, que prefaciou o livro: essa é uma pequena obra prima, pois consegue contar uma história de forma não-linear e ao mesmo tempo faz com que as crianças possam entender perfeitamente”, comenta Cláudio Levitan, músico responsável pela adaptação da obra literária à música, em 1986, e ao teatro, 20 anos depois.

A apresentação chegou ao Theatro Treze de Maio em novo formato, deixando de lado a antiga mistura de peça com bonecos, cenografia, dança e música que vigorou desde o lançamento, para uma adaptação de música com imagens do livro em formato HQ, adaptado pelo próprio Levitan em meados dos anos 1980, a convite da editora L&PM. “Estamos estreando em um formato mais dinâmico, mais fácil de montar e mais acessível para espaços nos receberem. Assim a obra vai poder circular sem depender de locais que possuam um teatro“, destaca Levitan.

As músicas são dele, de Nico Nicolaiewsky e Vitor Ramil. Pé de Pilão rodou o Rio Grande do Sul e foi adaptada para um circuito em São Paulo. O espetáculo foi indicado a vários prêmios, tendo recebido o Prêmio Tibicuera de melhor trilha sonora para Teatro Infantil em 2006. Também foi selecionado e ganhou o prêmio Rumos Itaú Cultural em 2011/2012. As premiações refletem a conquista transgeracional que Mário Quintana – e que Levitan, através das adaptações – transmite ao público. “Gostei muito da peça, conhecia a Casa de Cultura Mario Quintana, mas nunca vi sua obra retratada assim”, comentou Pietra Lima, de apenas 11 anos, ao lado do pai Gustavo.

Assessoria de Imprensa: acadêmicos de Jornalismo da Universidade Franciscana
Texto elaborado pelo acadêmico Petrius Dias
Professor responsável: Jornalista Bebeto Badke (MTb 5498)
Fotos: Fernanda Menezes (LabFem/UFN)
Jornalista responsável: Letícia Sarturi (MTb 16.365) – Feira do Livro de Santa Maria