domingo, maio 19, 2024
Feira Do Livro 2017TODAS EDIÇÕES

OFICINA DE LEITURA INCLUSIVA DISCUTE ACESSIBILIDADE

Na tarde desta quinta-feira, o auditório da SUCV recebeu mais uma atração da Feira do Livro:  a oficina de leitura inclusiva, produzida pelo Centro da Rede de Leitura Inclusiva e Fundação Dorina Nowill para Cegos.

A fundação possui uma biblioteca virtual – a Dorinateca – que disponibiliza livros por download nos formatos Braille, Falado e Digital Acessível (DAISY) – para pessoas com deficiência visual, bibliotecas, associações, escolas e universidades cadastradas de todo o país.

Angelita Garcia – que participa da rede nacional da fundação – comandou a conversa que abordou as tecnologias de leitura existentes para deficientes visuais.

Cristian Evandro Sehnem, pedagogo e Técnico em Educação no Núcleo de Acessibilidade da UFSM, compartilhou suas experiências como deficiente visual. Foi destacada a importância de derrubar alguns mitos, como o de que deficientes visuais não conseguem ser independentes ou de que só é deficiente visual a pessoa que nasce cega.

Ele também falou da importância da leitura em Braille: “Ela não pode ser substituída pelas outras tecnologias existentes pois  é através dela que os deficientes visuais conseguem aprender a escrever de forma gramaticalmente correta”, revela Sehnem.

Questões de políticas públicas também foram discutidas. Segundo Angelita, elas sofrem mudanças quando nós provocamos, por isso é tão importante discutir e estar ciente da presença dos deficientes na sociedade.

Oficina debateu ideias e soluções para a leitura inclusiva.(Foto: Pedro Gonçalves/LABFEM-Unifra)
Oficina debateu ideias e soluções para a leitura inclusiva.(Foto: Pedro Gonçalves/LABFEM-Unifra)

Texto elaborado pelas acadêmicas de Jornalismo Gabrielle Righi e Natália Rosso/UNIFRA
Professor responsável: jornalista Bebeto Badke (MTb 5498)